Início » Content » Instituto de Proteção e Assistência à Criança do Pará
  • Increase
  • Decrease

Current Size: 100%

Instituto de Proteção e Assistência à Criança do Pará

Fundado em 6 de outubro de 1912, por iniciativa dos doutores Ophir Pinto de Loyola, Raimundo Nogueira de Farias e dos Professores Raymundo Proença e Matheus do Carmo, o Instituto de Protecção e Assistência à Infância do Pará tinha a missão de auxiliar as crianças desvalidas oferecendo-lhes não só a assistência médica, como também a orientação das mães nos princípios de puericultura.

A primeira Diretoria do Instituto ficou assim composta: Diretor-geral: Ophir Pinto de Loyola (médico); Vice-diretor: Matheus José do Carmo (professor normalista); 1º Secretário: Raimundo Nogueira de Farias (desembargador); 2º Secretário: Raymundo Proença (jornalista) e Tesoureiro: Manoel João Gomes de Castro (ajudante de guarda-mor da alfândega).

Começou a funcionar, regularmente, em 1º de janeiro de 1913, tendo matriculado em dezembro de 1912 noventa menores. Em menos de dez anos chegou a 2.746 menores. Dispunha serviço domiciliar para crianças em que o estado de saúde não permitia o comparecimento ao Instituto.

Além dos cuidados médicos profissionais eram fornecidos aos protegidos todos os medicamentos necessários e, para isso, era mantida uma Farmácia, denominada “Abel Araujo”, homenagem à memória do conhecido farmacêutico paraense, cuja viúva destinou ao Instituto importante doação de medicamentos e trabalho. No primeiro ano de funcionamento, as receitas foram aviadas, gratuitamente, nas Farmácias: Cezar Santos; Central; Beirão e Belém.

Com a contribuição inicial e as mensalidades dos sócio-fundadores, a primeira sede do Instituto foi instalada na Rua Lauro Sodré, atual Ó de Almeida, entre Travessa Frei Gil de Vila Nova e Avenida 15 de Agosto, atual Presidente Vargas. Mais tarde, a sede foi fixada na Rua 13 de Maio, 104, entre a Travessa 7 de Setembro e Avenida Portugal.

Em 1928 foi lançado o “Livro de Ouro da Creança”, luxuosamente encadernado e mandado imprimir pelo então Governador da época Dr. Dionísio Bentes, que nele subscreveu a quantia de 1.000$000 (um conto de reis). O Instituto transferiu-se no ano de 1932, para a Avenida Nazaré, esquina com a Travessa Joaquim Nabuco, contando com a colaboração da sociedade paraense e instituições governamentais.

Em 1933, não conseguindo manter-se sozinho, o Instituto apela para o Rotary Clube do Pará e obtém de seus sócios uma importante quantia. Devido à crescente demanda de crianças carentes, a terceira sede já não suportava mais os serviços oferecidos, o Instituto precisava de mais espaço.

No ano seguinte, para saldar uma dívida proveniente de auxílios consignados que o Instituto tinha direito junto ao Tesouro do Estado, o Major Joaquim Cardoso de Magalhães Barata, então Interventor Federal do Estado no Pará, saldou-a em forma de permuta com um imóvel à Avenida Independência, nº 484, hoje Avenida Magalhães Barata.

Nesse mesmo ano o Dr. Ophir Pinto de Loyola falece no Rio de Janeiro. A partir daí, o Instituto passa a ser dirigido por uma Junta Governativa, tendo a frente o Dr. Froylan Barata, que convocou eleição para nova diretoria, sendo eleito presidente o Dr. Moysés Salomão Levy.

Em homenagem ao Dr. Ophir Pinto de Loyola, o Instituto de Protecção e Assistencia à Infância do Pará passou a se chamar Instituto Ophir Loyola.

 

Localização

Brasil
BR