Hospital centenário, o Ophir Loyola foi responsável pela implantação de diversos serviços relevantes para melhoria e qualidade da assistência aos pacientes, ofertando assim inúmeros benefícios aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) no Estado do Pará. Com o passar do tempo tais serviços foram modificados e reestruturados, incorporaram novos conceitos e aos poucos foram adequados à demanda de pacientes e ao novo perfil do Hospital:  a média e  alta complexidades.

Com os investimentos e o crescimento do HOL, consequentemente ocorreu a criação de espaços e  ampliação da oferta de serviços e procedimentos.  Somado a isso, a atuação e dedicação de profissionais de renome fizeram do hospital uma instituição reconhecida pela qualidade na prestação dos serviços.

 
Conheça os marcos do pioneirismo na instituição:

Serviço Social – O serviço foi inserido por uma estagiária em 18 de maio de 1955 por meio de um estudo socioeconômico de cada paciente. À época, as intervenções eram realizadas no ambulatório e enfermarias com uma prática fundamentada nos métodos do serviço social de caso, grupo e comunidade. Somente na década de 60, com o reconhecimento da profissão, a divisão foi criada no HOL. Com a solidificação e estruturação nas décadas de 70 e 80, tornou-se referência na intervenção profissional. No HOL, estes profissionais escutam e garantem resolutividade e a integralidade dos serviços prestados.

Atendimento Domiciliar: um novo conceito de assistência

O Serviço de Atendimento Domiciliar (SAD) garante mais conforto e proporciona ao paciente considerado Fora das Possibilidades Terapêuticas Atuais (FPTA), um final mais digno e diante do aconchego familiar. Os cuidados são paliativos, ou seja, visam a melhoria da qualidade de vida e o controle de sintomas como a dor. Com a inauguração em 27 de novembro de 2001, Dia Nacional de Combate ao Câncer, o HOL tornou-se um dos primeiros hospitais públicos do Brasil e o primeiro da região Norte a oferecer o serviço. As atividades iniciaram inspiradas no Centro de Suporte Terapêutico Oncológico (CSTO) do Instituto Nacional do Câncer (Inca). No SAD, a assistência integral é garantida por uma equipe multidisciplinar constituída de médicos, enfermeiros, assistentes sociais e psicólogos com apoio de nutricionistas, farmacêuticos e terapêuticos ocupacionais e todo o suporte de procedimentos hospitalares especializados e de exames de imagenologia e laboratoriais.

SONY DSC

Núcleo de Acolhimento ao Enfermo Egresso:  hotelaria e acolhimento humanizado

 O Ophir Loyola é o único Hospital do Norte do Brasil a manter uma casa de apoio com os próprios recursos. Desde o dia 16 de março de 2004, pacientes oncológicos oriundos do interior do Estado que não possuem residência na capital contam com as excelentes instalações físicas do Núcleo de Acolhimento ao Enfermo Egresso, o NAEE. A casa  foi idealizada pela diretoria do HOL juntamente com o governo da época, e tem a capacidade para acolher 49 pacientes com o mesmo número de acompanhantes, o equivalente a  98 leitos no total. Com uma filosofia de respeito às necessidades biopsicossociais e aos princípios éticos, bem como o compromisso com a qualidade dos serviços prestados, registra mais um capítulo importante na história do hospital e com total aprovação dos usuários.

Fonoaudiologia- O Pará também é pioneiro na inserção do fonoaudiólogo hospitalar e,  por meio do HOL, foi o primeiro hospital a incluir o profissional na equipe multidisciplinar com o paciente no leito.O atendimento junto aos pacientes internados iniciou-se no ano 2000 na clínica de cabeça e pescoço do hospital, iniciando a rotina de atendimento aos pacientes oncológicos no pré e pós-operatório imediato, dando continuidade ao tratamento no ambulatório voltado para oncologia. Mas, já havia atendimentos ambulatoriais aos pacientes fissurados e exames audiométricos. Atualmente, a rotina dos atendimentos é diária nas clínicas. Cada clinica do hospital tem um fonoaudiólogo para demanda diária, nas demandas nos distúrbios de deglutição (disfagia), linguagem e voz.

Oncologia

O tratamento oncológico iniciou de forma pioneira no Norte do Brasil com a criação do Serviço de Radiologia e de radioterapia na década de 1950, quando o Hospital ainda atendia pelo nome de Instituto Ophir Loyola. À época, a demanda na oncologia não era tão intensa como ocorre nos dias atuais. Aos poucos o Hospital reformulou o corpo clinico e ampliou as estruturas, e hoje é reconhecido como centro de alta complexidade em oncologia.

ALD_3164

Cirurgia bariátrica:  esperança de uma nova vida

Reconhecida como um problema da saúde pública, a obesidade é caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura no corpo e afeta principalmente países desenvolvidos e em desenvolvimento como o Brasil. Em 2000, o Ophir Loyola tornou-se o único hospital credenciado pelo Ministério da Saúde para realizar a cirurgia bariátrica pelo SUS na região Norte.  A assistência passou a ser realizada por uma equipe multidisciplinar em junho do mesmo ano em que foi realizada a primeira gastroplastia no HOL, tendo como paciente o servidor público Jacival Nery, então com apenas 19 anos. A clínica oferece um serviço multidisciplinar e conta com médicos cirurgiões, nutricionista, psicólogo, endocrinologista e assistente social.

 Em 2011, foi o primeiro a realizar a timectomia em videocirurgia pelo  SUS

O Ophir Loyola realizou as duas primeiras cirurgias de timectomia com a tecnologia de vídeo pelo SUS no Pará, que consiste em três pequenas incisões no tórax, por onde passam os instrumentais cirúrgicos.  As vantagens para o paciente são inúmeras, como menor desconforto pós-operatório, menor agressão cirúrgica, recuperação mais rápida e menor tempo de internação. A cirurgia foi toda visualizada pelo equipamento de vídeo, o que produz um excelente resultado estético. A timectomia é um procedimento cirúrgico indicado para tratar a Miastenia gravis, uma doença que atinge a função neuromuscular e afeta com mais frequência os músculos oculares, respiratórios, de deglutição e mastigação, podendo aparecer de forma abrupta ou se instalar lentamente. É mais comum em mulheres, mas pode vitimar pessoas de todas as idades.